Coluna política de sábado: Dilma, Dólar e Dementes

Por Emanuel Moura.

Esta semana foi mais uma daquelas de fortes emoções. Depois da ”experiência maravilhosa” de ver o dólar comercial chegar a R$ 4,24 na semana passada –a maior marca desde que entrou em circulação há 21 anos–, a ”guerra de foice” ficou armada.

O desespero tomou conta de todo mundo. Até do ‘letárgico’ governo. O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, apareceu para transmitir a ideia do ”está-tudo-sob-controle”. Foi uma ”água com açúcar” para acalmar os ânimos.

O problema é que o ”efeito da calmaria” evaporou-se já na segunda, dia 28. Desta vez, a superação da casa dos R$ 4 foi justificada pelo risco de cair a nota na avaliação de mais uma agência de risco. No meio disso tudo, um ”bando de dementes dilmistas e petralhistas” (os petistas de algum brio vou isentar dessa), chegaram a dizer nas redes sociais que a alta do dólar não era coisa importante. É um problema que só afeta os ‘riquinhos’.

Na mente ‘idiotizada’ pela ”esquerdopatia reinante”, se é rico é ‘maldito’, tem de perder tudo para dar aos pobres. Isso porque todo pobre só é pobre, não porque deu lugar à pobreza, mas porque algum rico ‘desgraçado’ tomou a riqueza que era para estar na mão do indivíduo que só come, bebe, devolve o que digeriu para a natureza, dorme e descarrega fluídos corporais em algum corpo capaz de reproduzir exemplares da sua espécie.

A fanpage do Instituto Liberal de São Paulo (ILSP), publicou a postagem de um destes seres paquidérmicos que afirma o seguinte sobre a alta do dólar: ”Para minha pessoa não faz a menor diferença. Nunca viajo mesmo. Nunca viajei. Quero mais é que suba, muito, muito, muito (…) esse dólar e todos os ricos, todas as ricas do Brasil fiquem pobres sem poder viajar também. Aí vão ver que todo mundo precisa se unir e fazer alguma coisa. Porque de desigualdade social eu já estou cheia.”

A publicação contém impropérios que não é de bom tom reproduzir. Por óbvio, que gente ‘imbecil’ que pensa desta maneira não consegue entender a contra argumentação do ILSP:

“Porque o dólar subindo nem vai afetar o pão, os remédios, os combustíveis, os eletrodomésticos e toda a economia… E nem serão os pobres, aqueles que menos podem se proteger da volatilidade do dólar, os mais afetados”, isso, por óbvio, é complexo demais para ser entendido por gente ‘tapada’ que considera o dólar apenas moeda para viagem.

Como afirma o instituto, esta gente sofre com uma ”inveja do dinheiro dos outros tão grande que se chega ao ponto de defender que todos sejam igualmente pobres”. Minhas ”pulgas e percevejos” também se combinaram para fazer uma conferência embaixo do meu ‘colchão’. Ficaram todas em ‘alvoroço’ com a notícia de um novo aumento para a gasolina.

A ‘sangria’ delas era poder ouvir da boca dos defensores das ‘bizarrices’ governamentais sobre a justificativa apresentada pela própria Petrobrás para o novo aumento: a alta do dólar. Será que com isso, os ricos vão ficar um pouco mais impossibilitados de abandonar os Trópicos?

Dona Dilma continua insistindo que ela fez tudo certo e que, agora, é preciso corrigir. Ora, minha ‘burrice’ não permite entender. Por que corrigir o que ”deu certo”?

Se está certo, não era apenas uma questão de manutenção, aprimoramento? Por que, então, o negócio é fazer diferente?

Na ONU, a ”mulher-maravilha” disse apenas que o modelo ”se esgotou”. Isso, claro, é uma outra forma de dizer: ‘errei’. Mas para uma douta economista que jura saber resolver os problemas desta e das gerações passadas e vindouras, é inadmissível um reconhecimento desta magnitude.

Os mais simplistas dirão que o grande problema é o dinheiro do Bolsa-Família. Na verdade, não é. Afinal, o percentual tirado ao longo do ano é pequeno. Embora o programa cause impacto ínfimo no orçamento da União, há um outro lado de dano muito maior e temo que irreversível: o convencimento das pessoas de que elas não precisam lutar, basta esperar que o governo vai cuidar de tudo, desde a hora que come até quando vai aliviar o ventre.

Emanuel Moura - Jornalista.

Emanuel Moura – Jornalista.

Jornalista (MTB/SP 81.201), assessor de imprensa, fotógrafo e analista da qualidade.

Natural do município do Rio de Janeiro (RJ), e residente no município de Itatiba (SP). Torcedor apaixonado pelo Clube de Regatas do Flamengo (RJ), católico e devoto de Nossa Senhora Aparecida.

Críticas, denúncias, elogios, reclamações, interesse em divulgar sua empresa, serviço ou produto, basta entrar em contato pelo e-mail: darlancmjornalista@gmail.com

Comentários

Darlan Monteiro

Jornalista (MTB/SP 81.201), assessor de imprensa, fotógrafo e analista da qualidade. Natural do município do Rio de Janeiro (RJ), e residente no município de Itatiba (SP). Torcedor apaixonado pelo Clube de Regatas do Flamengo (RJ), católico e devoto de Nossa Senhora Aparecida. Críticas, denúncias, elogios, reclamações, interesse em divulgar sua empresa, serviço ou produto, basta entrar em contato pelo e-mail: darlancmjornalista@gmail.com

Recentes

Ônibus com jogadores do Iraty capota e deixa ferid... Um grande susto marcou a tarde de sábado (19) para...
Vitória surpreende no Itaquerão e derruba série in... O sonho de grande parte da torcida corintiana em v...
Mudança no registro de nascimentos é o primeiro it... Os senadores devem começar a semana de votações no...
De olho nas Paralimpíadas 2020, japoneses criam ca... Quando se fala em Japão, algumas das primeiras coi...

Populares

Centro de Capacitação abre inscrições para novos c... Na quarta-feira, dia 26 de julho, o Centro de Capa...
Termina segunda-feira prazo para quem recebe auxíl... Termina nesta segunda-feira (21) o prazo para que ...
Quatro projetos recebem aprovação do Plenário em I... Nesta quarta-feira (02), a Câmara Municipal de Ita...
A Mediação de Conflitos Resgatando valores Familia... Todo indivíduo forma sua personalidade e ide...
É aprovada Semana de Prevenção e Conscientização à... Na 29ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Ita...
CLOSE
CLOSE