Cunha pede celeridade do Senado na apreciação do processo do impeachment

“Não estou feliz. A abertura de processo de impeachment é muito triste”, declarou

O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), defendeu celeridade, por parte do Senado, na apreciação do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, que teve a admissibilidade aprovada neste domingo (17) pela Câmara. Na avaliaçãode Cunha, o Brasil estará paralisado a partir de amanhã (18).

Ele disse que pretende levar amanhã, pessoalmente, para o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o parecer pela admissibilidade do afastamento de Dilma.

“O desfecho é muito importante, seja o [caso do] Senado aprovar ou não. O que não vai poder permitir é uma incerteza dessas. Quanto mais tempo se levar para decidir no Senado, a situação vai piorar. A máquina vai parar a partir de amanhã. O Brasil vai parar a partir de amanhã. Por isso, é importante que esse processo tenha um desfecho com maior celeridade, qualquer que seja o resultado. Fizemos a nossa parte”, disse o peemedebista logo após encerrar a sessão.

Presidente da Casa disse que o país pararia a partir desta segunda-feira. "Fizemos a nossa parte"
Presidente da Casa disse que o país pararia a partir desta segunda-feira. “Fizemos a nossa parte”

De acordo com Cunha, Dilma perdeu as condições de governar e o país chegou ao fundo do poço. “O país passa por sérias dificuldades, a presidente perdeu as condições de governabilidade já faz tempo, perdeu todo e qualquer escrúpulo nesse feirão que foi feitopara tentar comprar votos de toda a maneira e chegou ao fundo do poço. Agora, o Brasil precisa sair do fundo do poço. É preciso que a gente resolva politicamente essa situação o mais rápido possível”.

Adversário político de Dilma e opositor ao governo, Cunha disse não estar feliz com o resultado do processo de impeachment na Câmara. “Não estou feliz. A abertura de processo de impeachment é muito triste”.

Sobre as críticas que foi alvo durante a votação do parecer pelo impeachment no plenário, Cunha disse se tratar de “contestação política”. “Estou apenas fazendo o meu trabalho. Eles achavam que criariam algum constrangimento que impedisse que a votação continuasse porque que eu iria comprar a briga. Meu papel não tem personalidade. O papel do presidente é o presidente, não é o Eduardo Cunha”.

Via Agência Brasil

Técnico em Informática, Bacharel em Ciência da Computação. Natural de Itatiba/SP.

Email: brunomezzalira@itatibanews.com

Comentários

Bruno Mezzalira

Técnico em Informática, Bacharel em Ciência da Computação. Natural de Itatiba/SP. Email: brunomezzalira@itatibanews.com

Recentes

Gasolina pode ficar até R$ 0,41 mais cara na bomba... BRASÍLIA - Com a decisão do governo de aumentar o ...
VOCÊ SABE O QUE É DISCALCULIA? por Adriana Ferreira  O DISTURBIO DAS OPE...
Prefeitura realiza trabalhos de campo no combate a... Seguindo a programação das ações de combate a deng...
Ministro Edson Fachin manda soltar ex-deputado Rod... Ex-assessor de Temer foi flagrado recebendo R$ 500...

Populares

Pedágios da região têm reajuste a partir deste sáb... Segundo a Artesp, nos últimos seis anos a receita ...
Novo ataque de ransomware começa a infectar comput... Um novo ataque de ransomware está infectando compu...
VOCÊ SABE O QUE É DISCALCULIA? por Adriana Ferreira  O DISTURBIO DAS OPE...
Rock Brasil em Itatiba Com 13 anos de história e após 7 anos longe da cid...
Temer é o primeiro presidente a responder por crim... O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de...
CLOSE
CLOSE