Preço de energia, telefonia, gasolina e gás em 2015 pode subir mais, diz Banco Central

O Banco Central revisou mais uma vez para cima sua projeção para os preços administrados de 2015, conforme a ata do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada nesta quinta-feira, 6. Para a autoridade monetária, esse conjunto de itens apresentará elevação de 14,8% este ano, e não mais de 12,7% como constava na edição anterior. No documento de abril, a previsão era de 11,8% e, no de março, de 10,7%. Para 2016, a diretoria prevê agora uma taxa de 5,7% ante 5,3% de abril e junho e de 5,2% de março. Estas previsões ajudaram a formar a base para que o colegiado ampliasse na semana passada a taxa básica de juros (Selic) de 13,75% para 14,25% ao ano. Apesar dos sucessivos aumentos, o parâmetro do BC ainda está em um patamar mais baixo do que a expectativa de analistas do mercado financeiro. No Relatório de Mercado Focus da última segunda-feira, 3, a mediana das projeções para os preços administrados estava em 15,12% para este ano e em 6% para o próximo. A ata de hoje revela que, para estimar a elevação desses itens, o BC considerou uma alta de 50,9% da tarifa de energia elétrica este ano. Na edição de junho, a previsão era de 41%. No caso de telefonia fixa, a autoridade monetária prevê agora uma queda de 3,0% ante baixa de 4,4% da ata anterior. A diretoria também levou em conta a hipótese de elevação de 9,2% do preço da gasolina (antes estava em 9,1%) e de alta de 4,6% do preço do botijão de gás, substituindo a taxa de 3%. A previsão para a inflação de 2016 ficou estável no cenário de referência e segue acima do centro da meta de 4,5% que o BC promete entregar no fim do ano que vem. No caso do cenário de mercado, a projeção da autoridade monetária também mostrou estabilidade e segue acima do centro da meta. A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e está em 4,5% para este ano e também para 2016 e 2017, sendo que nesse ano, a margem de tolerância será reduzida de 2 pontos porcentuais (pp) para cima ou para baixo para 1,5 pp. No Relatório Trimestral de Inflação (RTI) mais recente, divulgado em junho, a estimativa do BC para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do ano que vem estava em 4,8% no cenário de referência e em 5,1% no de mercado. A atualização do RTI será feita no mês que vem. Na próxima semana, o diretor de Política Econômica, Luiz Awazu Pereira da Silva, se encontrará com analistas do setor privado do Rio de Janeiro e de São Paulo para obter mais percepções para a confecção do documento. Nesse mesmo documento de junho, o BC informou que a chance de estouro da meta do ano que vem era de 15%. No Relatório de Mercado Focus da última segunda-feira, a mediana das estimativas dos analistas para o IPCA de 2016 permaneceu em 5,40%. A ata de hoje ressalta que o cenário de referência leva em conta manutenção da taxa de câmbio em R$ 3,25 e Selic em 13,75% ao ano “durante todo o horizonte relevante”. No documento anterior, o BC trabalhava com a cotação do dólar em R$ 3,15. Já o cenário de mercado considera estimativas para câmbio e juros de analistas de mercado às vésperas do encontro da diretoria para definir o rumo da Selic. Câmbio O BC informou ter mudado sua premissa para o câmbio de R$ 3,15 para R$ 3,25 pelo cenário de referência. O valor considerado para o dólar está abaixo do negociado no dia em que o colegiado decidiu subir a Selic de 13,75% ao ano para 14,25%. Na quarta-feira passada, 5, o dólar à vista fechou em R$ 3,3300. O valor de taxa de câmbio utilizado na ata é mais elevado do que a cotação de R$ 3,10 considerada no Relatório Trimestral de Inflação de junho. Apesar desse ajuste feito pelo BC, a premissa usada na data do Copom já está desatualizada, já que ontem a moeda americana terminou o dia cotada a R$ 3,489. Para os juros, o colegiado considerou a taxa de,13,75% ao ano. O realinhamento dos preços domésticos em relação aos internacionais – via alta do dólar – vem sendo apontado pelo BC como um dos principais fatores de pressão para a inflação no curto prazo ao lado do ajuste de preços administrados ou monitorados pelo governo.

 

Por:  ESTADÃO CONTEÚDO

Sócio-proprietário do site e página Itatiba News e fotógrafo. Natural de Itatiba. Atua também na área de transportes executivos.
Comentários
SEPARAMOS PARA VOCÊ
Banco HSBC está perto de sair do Brasil O banco HSBC, com sede em Londres e espalhado em mais de 70 países, está perto de sair do mercado de varejo no Brasil. Fontes informaram ao jornal bri...
Benefícios do INSS acima do salário mínimo são rea... Os benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) foram reajustados em 11,28%, de acordo com portaria dos ministérios do Trabalho e ...

Cleber Quintino

Sócio-proprietário do site e página Itatiba News e fotógrafo. Natural de Itatiba. Atua também na área de transportes executivos.

Recentes

É rejeitado projeto sobre divulgação de alvarás... Nesta quarta (13), na 33ª Sessão Ordinária da Câma...
Defesa pede liberdade para os irmãos Wesley e Joes... Por: Décio Trujilo   A defesa dos empresá...
Grendacc ganha RaiosX Portátil que tornará atendim... O Grendacc (Grupo em Defesa da Criança com Câncer)...
Com experiência cervejeira e shows sertanejos, Car... O Jaguariúna Rodeo Festival chega à 29ª edição nes...

Populares

Obras contra enchentes alteram trânsito próximo ao... Com o objetivo de aumentar a vazão das águas do Ri...
Vacinação contra meningite C e HPV começa dia 11... A partir do dia 11 de setembro começa em todo o pa...
Confira a programação da Semana da Pátria 2017 A Prefeitura de Itatiba, por meio da Secretaria da...
Naufrágio em Salvador deixa ao menos 22 mortos; go... O 2° Distrito Naval de Salvador, na Bahia, confirm...
Com experiência cervejeira e shows sertanejos, Car... O Jaguariúna Rodeo Festival chega à 29ª edição nes...
CLOSE
CLOSE